sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

A felicidade de estar sozinho

{Nós, amores e muito blá, blá, blá}




Quantas vezes a gente entrar em uma relação por viver o momento ou por achar que aquela é a pessoa, mas aí as coisas vão passando, a relação não flui como deveria (não que haja uma super fórmula pra isso) e quando a gente vê, tá em algo que mais atrasa do que adianta nossas vidas. Você já viveu isso? Eu já. Muito por sinal, diria até que quase todas as minhas relações tem um quê disso e não são apenas as amorosas, familiar e amizades também entram no jogo.

Sabe aquela garota que se dedica e se envolve em tudo que toca? Pois esta sou eu, prazer! Não sei não ser dedicada às ações e pessoas que se tornam especiais pra mim, só que este envolvimento pesa e sobrecarrega, afinal, nem sempre você vai estar triste porque algo ruim te acontece e sim porque aconteceu algo com a pessoa x e ela te contou, daí olha lá você vivendo a dor dela como se fosse sua. E sua vida, cadê? Como vai? Não vai.

Durante muito tempo eu só aceitei que era assim, paz e benção. Só que uma hora a junção de tantos sentimentos deu sinal não só no coração, como na mente e aí, nasce um sentimento péssimo chamado ressentimento. Sabe, por mais que eu tente bancar a pessoa "de boas", no fundo espero poder contar com você depois, assim como me solidarizei contigo. Acredito sim na história de mão dupla, a gente faz algo bom e recebe algo bom depois, só que esperar esse "algo bom" é terrível, porque ele nem sempre vem quando, como e onde a gente espera.

Doação é coisa de gente forte de corpo e alma, é pros que esquecem fácil e fazem de cada novo dia, uma nova história. Não sou esse tipo de ser evoluído. Tenho uma ótima memória, gosto de dar continuidade as coisas e histórias pra mim são novelas e não miniséries. É porque eu gosto de drama. Gosto de um ato exagerado e emotivo, só não sei me recuperar bem das feridas que estes atos lindos e tempestivos deixam na alma.

E eu cansei. Cansei de ser disponível, boa ouvinte e conselheira. Cansei de ser a Emma de algum Dexter, de ser a garota legal. Tudo cansa e na verdade, cuidei tanto dos outros (muitos que não mereciam) que não percebi que faltava cuidar de mim, dos meus sonhos. Então, parte deste processo envolvia conhecer meu interior e olha, foi a viagem mais louca de todos os tempos. Não bastou apenas saber o que gostava e queria pra vida presente e futura, foi entender que muitas coisas que eu amava, não casavam com as pessoas que eu amava e supostamente não me amariam com aquelas coisinhas.  E entre coisas que amo e pessoas que amo, preferi as coisinhas. Porque elas definem quem eu sou, são parte do que dá felicidade pro meu dia.

Não é egoísmo você não querer abri mão de algo que conquistou e combinou com o seu sorriso por um outro alguém. É egoísmo este alguém querer que você abra mão do que ama, pra ele te amar e estar na sua vida. Então, abra a mão dele e nunca de você.

Senti-me sozinha algumas vezes? Senti. Mas no dia seguinte a solidão foi bem menor e a alegria de olhar-me no espelho ver quem eu era de verdade, ali, crescendo e desabrochando foi maior e não me senti mais sozinha, pois, tinha mais do que tive a vida toda, tinha  a mim, em essência e meus sonhos agora encontravam a força pra serem realidade.

Pra quê dizer tudo isso? Pra te falar que é bom tá em conjunto, entretanto, não é tudo na vida. E que sim, você pode ser uma pessoa que funciona melhor só do que acompanhado, como eu. Alguns acharam triste e etc, no entanto, eles não sabem de nada. Ninguém além de você sabe o que é felicidade, ou melhor, sabe o que te faz feliz, então, não espere pelo que o outro acha certo pra você. Faça o que você acha certo pra ti e viva, como diria Will Trainor: "apenas viva".

Beijos!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita!!!


SENTIDO CONTRÁRIO - 2015. Todos os direitos reservados.
Tecnologia do Blogger