quinta-feira, 7 de julho de 2016

Sobre pessoas e a minha vida...

We Heart It 

Sei lá, tem pensado tanto na posição que algumas pessoas ocupam na minha vida que isso tem me deixado mais introspectiva e vira e mexe vira tema pro Memories, né?

Tenho falado tanto disso, de entrar e sair da vida dos outros... De ver o que as pessoas fazem quando você as deixa entrar e oferece um "lugar", porque a cada minutinho que vai passando da minha vida, fico com aquela sensação ou até mesmo ganho um motivo pra tirar pessoas da posição em que elas estiveram por tanto tempo.

Às vezes é um "amigo", conhecido, colega, vizinho, familiar... Tem sempre um alguém que me faz parar e pensar: "mas, pra quê merd#$% tô deixando essa pessoa ficar? Ela me faz bem ou mal?"... O chato é que sempre me faço a mesma pergunta e poucas são as vezes em que realmente tomo uma decisão. Preguiça, comodismo, sei lá...

Porém, parece que a brincadeira de "inferno astral" e revolução universal tá me envolvendo nesses 30 dias antes dos famosos 1/4 de século e sei lá, em meio há tantos problemas, dúvidas e incertezas, minha vontade de ficar só, de limpar minha lista de pessoas e deixar minha vida mais leve tá enorme. Aliás, tô tendo a sorte de em meio ao caos, ter a oportunidade de ver as pessoas pulando a fogueira da amizade e me fazendo enxergar se realmente são minhas amigas.

Aos quase 25 anos, passo a ter mais certeza do que nunca que vale mil vezes mais você seguir sozinho, do que com alguém que mais atrapalha que ajuda. E na hora do vale das sombras é que você vai realmente ver quem é seu amigo. Hoje, eu sei que das pessoas que convivo, os dedos de uma mão (ou até menos) podem ser considerados como meus amigos e não sei se me incomodo com isso.

Não preciso de pessoas só pra dá risada. Ninguém precisa, não é mesmo? Porque quem não fala muito, senti demais e quando você abre seu coração e encontra um muro duro e frio pras suas lágrimas, não vai querer que ele seja mais o colchão pros seus sorrisos. Eu não quero mais.

Então, se a gente precisa mesmo fazer as coisas girarem... Pessoas saírem pra novas entrarem, que seja assim. Que saia o velho e apertado, pra entrar o novo e confortável. Amizade, amor e qualquer formato de sentimento nobre, não se mostra só no dia a dia, se prova e confirma nos momentos mais raros de dor, tristeza e incerteza, mas a gente não aprendi isso até ter a necessidade de cair, sujar a cara de barro e não encontrar alguém pra oferecer uma toalha limpa ou se sujar também.

Sim, tô em crise. Na crise de constatar que quando você tem uma pessoa "vazia" vivendo na sua rodinha, ela vai ter esvaziar aos poucos ou pra seu azar, rápido demais.

Quer saber? Pra próxima primavera quero viver de mim, pra mim e com quem não saiba só sorrir, mas chorar junto, falar de coisas divertidas e também de bons dramas, confusões e tudo que tiver que vim. Que aceite as minhas vibes negativas, assim como aceitas as positivas e como diria o Rosa de Saron "e que me leve não somente até o céu, mas perto das estrelas... Somos o que fazemos para mudar o que fomos".


Beijos!! 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita!!!


SENTIDO CONTRÁRIO - 2015. Todos os direitos reservados.
Tecnologia do Blogger