segunda-feira, 11 de julho de 2016

Memories #18

E se eu quiser mudar?


As mudanças ocorrem porque a vida é uma junção de ações e consequências intermitentes. Nem sempre a gente tá preparado pra abrir mão de coisas e pessoas, né? Outras vezes, a vida se encarrega de tirar pessoas da nossa vida, oferecendo situações teste e aí, só cabe a gente ter a coragem e o fôlego pra dizer a palavrinha: "adeus".

Comentei essa semana que tava numa espécie de período sabático pré aniversário (não vou dizer inferno astral porque não acho que chegue a tanto) e nessa de me isolar, mudar, rever presente e futuro, algumas pessoas estão perdendo o sentido na minha vida e saindo ou sendo retiradas aos poucos. O mais estranho (ou não) é que isso não é algo difícil de se viver e tenho me sentido mais leve só em pedir pras pessoas saírem. Pode não ser em definitivo, mas se for, era pra ser e não vou lamentar pelo leite derramado. 

Eu quero mudar minha vida pra ela estar mais de acordo com meus desejos, interesses e principalmente, ao que realmente sou. Tô cansada de ser politicamente socializada demais só pra evitar situações ruins e no final, eu acabar atolada de coisas ruins. Não quero mais ser tão legal. Não que eu seja legal sempre, vire e mexe meu santo muda e olha eu lá, virando o meu jogo. Quero ter a liberdade de mudar minhas escolhas só porque o sol amanheceu mais brilhante e isso me contagiou. 

Simplesmente eu quis, eu fiz. 

E sabe, agora mais do que nunca eu vejo o quanto é importante ter o poder das minhas decisões e não temer mudar. Não tenho medo delas, mas sempre fui do tipo que pesava tudo, calculava e colocava o bom e velho "e se" no meio. Agora não tem mais isso. Porque "e se" rolar, a gente vai lá e muda de novo, pede desculpas, liga, fala o que sente e tenta. E se não rolar, azar. 

E se eu quiser mudar o que era para ser um "sempre", eu mudo mesmo. 

¬¬

Eitha que essa semana me especializei em por tudo pra fora, falar, falar e falar até meus ombros de tão leves saírem por aí flutuando sozinhos, parecendo que tomei um Redbull, sabe? kkkkkkkkkkkkkkk 

Finalmente aliviei meu coração e coloquei um ponto final em algo que já tava me corroendo há uns dias. Às vezes vale mais a gente ter um conflito e ele acabar zerando tudo do que ficar fazendo a política da boa camaradagem e tomando no copinho emocional. Sacou? 


Essa foi a semana dos planos pro futuro do blog. Consegui finalmente começar a planejar uma ideia legal futura, resolver meus planejamentos de postagem e ainda fui presenteada com uma possível novidade incrível, fruto da minha baby Raíra Mercês. 

Teve muitos desabafos rolando e alguns deles vão virar vídeo pro canal em breve. É um jeito de vocês conhecerem mais sobre a minha história e nosso vínculo se firmarem mais. Gosto das amizades que fiz e saíram pra vida real nesses seis anos de blog. 


Sim, tivemos produção intensa de vídeos e pautas novas e quero continuar nesse ritmo porque produzir me deixa feliz. 

E a semana fechou com saidinha esperta com as meninas, a entrega da versão final do artigo e uma voltinha básica pela feira de livros que tá rolando no Center Lapa. Foi bem legal, viu?



A feira de livros tava lastrada de opções incríveis e com preços que variavam de R$5 a R$20, então, vocês imaginam que eu surtei muito, porém, na hora das compras me contive bem e voltei apenas com cinco livros que totalizaram R$35, mas quero super voltar lá pra comprar um sobre o Titanic e um outro sobre os signos e seus amores (sim, eu acredito em combinação amorosa).


Comprei os três livrinhos motivadores pra me inspirar mais e manter meu astral lá em cima. De vez em quando rola uma bad vibes e esses tempos tenho esquecido algumas das lições mais importantes que 2015 me ensinou. 

Voltemos ao foco, né? 

Beijos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita!!!


SENTIDO CONTRÁRIO - 2015. Todos os direitos reservados.
Tecnologia do Blogger