terça-feira, 12 de julho de 2016

{Dica} A magia dos "romances de estreia"

Sabe quando você vai até a livraria e começa a rodar em busca de coisas novas e se vê diante de uma mesa cheia de capas bonitas, ultra bem elaboradas e com aquele quê fofo bem irresistível? Vira e mexe acontece isso comigo e quase sempre volto com um livro e autor novos pra casa e em 70% dos casos, a tal história é a primeira lançada por aquele autor, sendo esse um livro ainda mais difícil e especial: um livro de estreia.

Tenho um felling tão interessante pra caçar esse tipo de livro, que resolvi falar um pouco sobre coisinhas que observei sobre os livros, suas histórias e autores ao longo dessa vida de leitora compulsiva. É uma oportunidade também pra sugerir bons romances, tá?


Vou me arriscar a dizer que a essa altura da vida, sou quase uma especialistas em livros do gênero romance, então, como boa apaixonada que sou, garimpo super casais e histórias que sejam divertidas, emocionantes e que me façam ler o livro sem parar.

É muito difícil o autor acertar de cara em todos os pontos chaves de um livro de estreia, mas não é impossível. Um bom exemplo de um livro de estreia que é lindo de viver seria "A Lista de Brett", já que temos nele uma história bonita, com um desfecho interessante e uma narrativa fluída e com movimento. Coisas que consideram essenciais pra um livro bom e uma autora virar minha ídola.

Geralmente, os livros demoram a deixar o leitor completamente absorto e isso não é ruim. Porém, para algumas pessoas mais distraídas e ansiosas, demorar muito pra ficar interessante, acaba fazendo com que o leitor abandone a obra. É essencial que ao ler um primeiro romance, você reserve um pouco de paciência pra degustar as 100 primeiras páginas (a depender da quantidade total, tá? Diria que entre as 50 e as 100 páginas iniciais, um autor de médio porte consegue finalmente desenvolver a história e prender o leitor), porque provavelmente, essas páginas iniciais serão utilizadas para apresentar os fatos essenciais sobre os personagens, o tema do livro e claro: a mensagem final.


Continuando a usar "A Lista de Brett" como exemplo, a gente tem bem antes da centésima página, uma noção sobre a vida da personagem central, porque que ela precisa vivenciar as experiências propostas e meio que já consegue ter uma noção de uma das mensagens da história: "não perca a sua essência", por exemplo.

Já em "A Lista Negra" (vamos ficar só com listas, tá? kkkkkkkkk), um romance que também adoro e o primeiro de Jennifer Brown (já tenho o novo dela "Amor Amargo" e logo resenho ele), a gente tem uma história forte, com um desfecho difícil de antecipar e com contornos emocionais variados. É um livro que começa com um fato forte e com super cara de desfecho de livro, sabe? E aí, você tem o fato impactante o tempo todo guiando os acontecimentos, mas por ter que acontecer a típica contextualização das primeiras páginas, pode bater aquele cansaço de "ahhh... conta logo porque isso vai rolar", sabe?

Eu acho livro de estrei interessante também pra quem já começou a ler um(a) autor (a) pelo seu livro mais top e virou fã, voltar aos primórdios e vê como foi indo a evolução da escrita deste autor. Por exemplo, fiz isso com a Rainbow Rowell que é mega conhecida por livros por Eleonor & Parker e Fangirl, porém, seu livro de estreia foi "Anexos" (clica aqui pra vê a resenha dele) e apesar de ser um  romance legal, jovem e com um desfecho interessante, tem alguns momentos que fica mega difícil fluir com a leitura nos primeiros capítulos.


É aquele tipo de experiência que você pode desde encontrar peças raras que serão sucessos futuros, até ter experiências traumáticas e ultra cansativas, porém, clássicas pra todo bom apaixonado por livros e romances interessantes.

Gosto muito de romances de estreia por sentir uma certa elevação na minha adrenalina. É aquela coisa de futucar o desconhecido e depois virar reprodutor, sabe? É ter uma experiência inicialmente única e nova, pra depois sair por aí anunciando "boas novas". Hoje, a maioria dos meus livros são romances de autoras novas / desconhecidas e posso dizer que a maioria tem potencial para o sucesso e muito talento.

Então, bora fazer um acordo: na próxima vez que você for a livraria, vai se permitir experimentar um livro de estreia (vem sempre na capa ou nas orelhas do livro, anunciando que ele é a primeira obra daquele autor) ou conhecer um novo autor ou autora desconhecido do grande público e sem tantas expectativas. Fechado?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita!!!


SENTIDO CONTRÁRIO - 2015. Todos os direitos reservados.
Tecnologia do Blogger