quinta-feira, 5 de maio de 2016

{Eu li} 3x3 Agatha Christie

Tento todo mês ler pelo menos um livro da Agatha Christie. Claro que tem meses que consigo ler um pouco mais e outros que não rola ler um livro que seja. Como nos últimos dois meses li alguns interessantes e ainda não havia feito post, resolvi juntar os três e fazer um resuminho em uma única postagem.


Vamos começar falando sobre Os relógios. Devo adiantar que não gostei muito dele, pois, o Poirot fica como uma espécie de coadjuvante na história. Mas, basicamente o que acontece é que uma moça que trabalha como datilografa recebe uma solicitação de sua chefe para ir até a residência de uma mulher cega, ajudá-la a redigir alguns documentos.


Ao chegar a casa da senhora, a moça não a encontra e seguindo as indicações que supostamente ela teria deixado, ela entra na casa e vai até a sala de estar, onde, encontra o corpo de um homem caído ao chão. Paralelo a isso, conhecemos Colin Lamb que acaba socorrendo a jovem em meio a toda confusão.


O mistério aumenta quando é notada a presença de alguns relógios com horários diferentes, espalhados pela sala onde encontraram o defunto. A dona da casa e sua diarista, afirmam que nenhuma daquelas peças faziam parte da decoração do ambiente ou são da idosa. Além disso, ninguém consegue descobrir a identidade do morto, como ele chegou até lá e por que foi morto e posto na casa de uma idosa cega.

De certo ponto, seria bem interessante toda a trama, só que como eu leio no interesse pelas instigações de Hercule Poirot, acabei ficando meio decepcionada e enrolando a leitura. Não amei o livro e também não o antipatizei por completo. É aceitável.


Morte na Praia é outra coisa... Pensem num livro onde Poirot está em sua melhor forma e lança de todos os seus atributos investigativos pra elucidar um dos crimes mais fantásticos que eu já li até hoje.

Quando alguém poderia imaginar que um hotel de luxo seria o palco de um assassinato? É o que acontece no hotel Jolly Roger quando a jovem e odiada Arlena Stuart é encontrada morta na praia. Os homens a idolatram, enquanto suas esposas a odeiam e mesmo sendo casada, Arlena esbanja charme e simpatia pra todos os lados.

É por isso que muitos são os suspeitos, porém, ao longo do percurso de investigação a polícia tem dificuldade em conseguir direcionar o rumo dos acontecimentos e isso deixa Poirot mais fascinado e interessado em descobrir o verdadeiro culpado. Claro que ele consegue, entretanto, o desfecho é surpreendente.


Acabei de ler O Mistério do Trem Azul e gostei bastante tanto da narrativa quanto do desfecho. Nesse livro, conhecemos um milionário americano que adquire de maneira suspeita, uma coleção de joias com rubis que pertenceram a Coroa Russa. O problema é que há boatos que essas joias atraem azar para seus donos.

O homem os havia comprado para presentear sua única filha. A moça não anda vivendo um momento bom em seu casamento e aparentemente, tudo se deve ao marido infiel. Só que ao confrontar o genro, o pai acaba descobrindo que sua filha também é infiel e pior, está novamente de caso com um oportunista francês.


Pra tentar aliviar as coisas e aproveitar o resto do verão, Ruth resolve embarcar rumo a Riviera Francesa. É nessa viagem, abordo do famoso Trem Azul, que ela acaba sendo misteriosamente assassinada e tem suas joias roubadas. Poirot por sorte está abordo do trem e ajuda na investigação que aponta para vários suspeitos: o marido de Ruth, seu amante, um desconhecido e a amante do marido.

Na ocasião da viagem, Ruth fez amizade com uma moça que acabara de herdar uma herança de sua ex patroa. A senhorita Grey ajuda Poirot a investigar o assassinato e também o roubo das joias e o desfecho é de tirar o ar, porque tudo foi muito bem planejado por criminosos profissionais.

¬¬

Se vocês me perguntassem qual desses três livros eu indicaria pra comprar agora, com toda certeza seria o Mistério do Trem Azul. Basicamente porque um dos meus livros favoritos da Agatha Christie é Assassinato no Expresso do Oriente e como os dois tem um enredo parecido (morte ultra sigilosa no trem), gostei. No caso do Trem Azul, o crime ainda varia mais e vai mais além e abre um leque de história emocionantes e curiosas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita!!!


SENTIDO CONTRÁRIO - 2015. Todos os direitos reservados.
Tecnologia do Blogger