sexta-feira, 22 de abril de 2016

{Diário} A tal normalidade

Acabei de subir umas fotos que fiz durante o feriado e na hora de escolher em qual álbum publicaria as fotos, fiquei pensando na vida e no quanto a gente se deixa levar pelos julgamos e exigências alheias.

Cara, isso é tão cansativo. Ser o que os outros acham que a gente deve ser, fingir sorrisos, simular sentimentos que nem chegaram a nos cutucar.

Não quero isso pra mim. Sabe, eu gosto da verdade, do gosto ácido que ela tem. Dos risos frouxos e contagiantes. Porque eles são os melhores e naqueles momentos sérios, do nada, te atinge e lá vai um riso bobo fora do contexto (dos outros, porque do meu e do seu, faz todo sentido).


Gosto de observar as pessoas, sair por aí com a câmera e registrar a vida, o movimento louco que ela tem e perceber que o que a faz bonita é fugir do contexto da tal normalidade. É chato ser normal e no real, no palpável, a vida é anormal.


E nesses momentos de mera observação, vejo que gosto de pessoas que sabem viver com a leveza de ser imperfeito.

Beijos!! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita!!!


SENTIDO CONTRÁRIO - 2015. Todos os direitos reservados.
Tecnologia do Blogger