quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

{Nós, amores e muito blá, blá, blá...} Nós (versão 1.6)





Deu vontade de escrever pra você hoje.

Vontade de contar sobre aquelas velhas coisas, te relembrar sobre o quanto te amo e sinto falta do seu cheiro... Daquele seu riso bobo e contagiante.

E é nessas horas, em que sinto necessidade de você, uma louca vontade de te roubar pra mim, que sinto o quanto você mexe com meus hormônios, neurônios e nervos.

Como pode? Deus... Como um homem sem nada demais, pode causar tantos efeitos sobre uma mulher. Como?

Não sei se é o jeito louco e simples de quem espera muito, mas pouco tem coragem de admitir que deseja. Se foi o olhar de menino com a coragem de um velho homem... Não sei...

Mas preciso. Quero. Necessito.

O quê?

De você.

Das suas mãos... Do seu olhar... Respiração... E até quem sabe, apenas dos seus diálogos sobrecarregados de palavrões e sinceridade ao extremo.

Queria você. Aqui, assim... Só meu.

Porém, só sei que por hoje não vou ter você. Não posso ter.

Não me arriscaria a te pedir mais uma dose diária. Não depois de "nós" versões 1, 1.2, 1.3, 2, 3,4...

Quero um "você" novo, mas tão próximo do antigo que chega a ser contraditório. Um você de sorriso fácil e menos pesos nos ombros.

Um eu e você flutuantes.

Eu e você.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita!!!


SENTIDO CONTRÁRIO - 2015. Todos os direitos reservados.
Tecnologia do Blogger