quinta-feira, 12 de março de 2015

Eu li: Morte na Mesopotâmia - Agatha Christie

Sabe aquele livro intenso e bem improvável? Assim é Morte na Mesopotâmia, mais um ótimo livro da Agatha Christie com um enredo incrível e um desfecho completamente imprevisível.




Esse é mais um livro com um caso investigado por Hercule Poirot (#amo), mas diferente dos outros que já mostrei por aqui, nesse livro, a estória é narrado pela enfermeira Amy Leatheran que foi contratada por um famoso arqueólogo  para ajudar a cuidar de sua esposa que há pouco tempo, passou a supostamente ser perseguida pelo fantasma de seu primeiro marido.

Inicialmente, não se sabe bem se as pessoas acreditam ou não no que Louise fala que vê, porém, a enfermeira passa a acreditar na senhora, depois que vê algumas das cartas que ela recebe e o temor que ela tem com certas situações, porém, ao mesmo tempo em que Amy  acredita, ela fica um tanto desconfiada da origem das cartas, porque reconhece em uma delas, uma leve semelhança com a letra de Louise, mas acima da dúvida de quem escreveu as tais cartas, se foi o marido morto (que não morreu de verdade), se Louise está querendo chamar atenção, se foi o irmão mais novo do tal marido morto que voltou querendo vingança ou se é um desconhecido que sabendo de algumas histórias do passado da mulher, resolveu se aproveitar da situação.




Não é preciso muitos dias após a chegada da enfermeira, para que o pesadelo de Louise se concretize. No dia seguinte após, ela contar a Amy toda história em torno das ameaças e de seu passado tortuoso com o ex- marido, ela é encontrada morta pelo atual marido em seu quarto. E aí, já é de se esperar que se comece o mistério e claro, Poirot seja convidado a participar e ajudar a desvendar o assassinato de Louise e principalmente, como alguém conseguiu dar fim a vida dessa mulher, sem que ninguém tenha visto entrar ou sair algum desconhecido.

O desvendar de toda trama é incrível e com certeza, de deixar de boca aberta, porque o principal suspeito é realmente o primeiro marido da falecida, mas como e quem ele é, aí já são outros quinhentos e de deixar qualquer um passado. Porém, o motivo também é inusitado, já que até então era um "segredo" da morta com um membro da expedição.



Eu achei esse um dos casos mais intensos de Poirot, porque ele tem um trabalho a mais para conseguir montar algumas partes do caso e para isso, a ajuda da enfermeira Amy se faz essencial, já que ela é extremamente observadora e foi uma das últimas confidentes da falecida. Assim, os dois seguem montando os laços que os membros da expedição tinham com Louise e também revivem algumas coisas do passado dela que ficaram meio inexplicáveis.

Pra quem gosta dos mistérios da Agatha, esse é sensacional e vale cada minutinho dedicado a ele. Eu confesso que me apaixonei de cara e não parei mais de ler, até conseguir desvendar quem matou e como. Então, podem ler que vocês não vão se arrepender, porque pra variar Agatha arrasa.



Beijos!! 

2 comentários:

  1. Amo os livros da Agatha, nunca consigo desvendar o mistério, esse parece ser maravilhoso.

    http://www.eucurtoliteratura.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tbm não, mas de uns livros pra cá até que tenho conseguido resolver o crime, só que conseguir fazer isso tem tirado um pouco da graça de ler Agatha, sabia? kkkkkkkkkkkkkk... Estranho, né?

      Beijos!!

      Excluir

Obrigada pela visita!!!


SENTIDO CONTRÁRIO - 2015. Todos os direitos reservados.
Tecnologia do Blogger