quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Eu li: A Lista Negra - Jennifer Brown

Muitas vezes quando estou lendo um livro e me identifico com ele, começo já a planejar como farei a abordagem dele pra vocês. Geralmente, as coisas vão se desenvolvendo durante o processo de leitura + composição de fotos + planejamento do texto, e aí, consigo desenvolver um conjunto que me agrada. Fácil.

Porém, dessa vez, foi tudo muito difícil e um tanto complicado, porque esse livro me permitia tanto fazer um conteúdo textual, quanto em vídeo. Quis muito fazer esse post em vídeo, por achar que "A Lista Negra" é um ótimo livro pra puxar um gancho sobre algo que afeta muito a vida de quase todo mundo: bullying.


Neste livro, somos inseridos em uma temática atual, forte e que tem consequências vastas e obscuras na vida de crianças e adolescentes pelo mundo. A aceitação social, talvez, nunca tenha sido o objetivo de interesse principal de Valerie, personagem principal e narradora da obra.  Depois de uma série de acontecimentos vexatórios com ela e seu namorado, Nick, ambos se envolvem numa tragédia que acaba vitimando vários colegas e professores de seu colégio...

A narração é bem leve e com uma linguagem jovial e recorre constantemente à flashbacks das memórias de Valerie e de matérias publicadas em jornais impressos e televisivos da sua cidade, todos sobre a tragédia orquestrada por Nick Levil, no refeitório do colégio.



A principio, a gente acha que o livro vai girar apenas sobre o dia do atentado e sobre o que passou pela cabeça de Nick pra por em prática um ato tão cruel, mas, na verdade, brilhantemente, Jennifer conseguiu fazer do atentando, apenas um ponto em torno de outros cruciais. O bullying, a influência de amizades, aceitação social e principalmente: a responsabilidade e o peso dos nossos atos.

Val, passa boa parte do livro tentando entender se as pessoas atribuem ou não a ela, culpa no que aconteceu no colégio e principalmente, tentando entender o que irá fazer da vida agora, já que ela ainda não consegue definir se teve ou não culpa do que aconteceu e se as pessoas vão um dia perdoá-la algum.



Essa é uma leitura que consegue arrancar lágrimas a cada descoberta e superação por qual Valerie passa. Ao mesmo tempo, a gente absorve junto com ela a síntese de que nem tudo é o que parece e que por mais que tudo pareça estar perdido, a sempre uma saída. Porém, é impossível, não se perguntar se ela é culpada ou não e isso, você só vai conseguir concluí depois de conhecer toda a história em torno das pessoas envolvidas, inclusive, Nick Levil.

Comentei em alguns vídeos, que achei esse livro tão intenso e completo em tantos sentidos sobre o universo juvenil, que achava que ele deveria ser leitura obrigatória nos colégios e  isso é verdade. Às vezes, a gente não mensura o quanto uma brincadeira que a gente julga inocente e inofensiva, pode ferir um colega. O pior é que ela pode se propagar pra além dos limites da sala e permanecer por anos e assim, causar um trauma. Por outro lado, a autora também, te apresenta a realidade de que brincadeiras são apenas brincadeiras e só viram realidade se você deixar.

Logo, eu acho que pra um livro de estreia, Jennifer Brown mostrou muito bem pra que veio e conseguiu fisgar e agradar seu público.



3 comentários:

  1. Uau, que livro forte! Gostei da dica, ainda não tinha lido nada a respeito dele.
    Beijos

    www.oolhaisso.com

    ResponderExcluir
  2. Nossa que pesado e intenso. Deveria ser sim leitura de colégio. Sempre fomos obrigadas a ler livros nada haver e com o momento que estamos passando hoje devemos sim trabalhar com os jovens este lado negro da força.
    Amei a resenha.

    Beijos
    www.pimentasdeacucar.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia o livro, mas a temática apesar de forte deve ser abordada.
    Gostei muito da sua resenha, muito bem escrita. Parabéns.

    Beijos
    http://bymayaracosta.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita!!!


SENTIDO CONTRÁRIO - 2015. Todos os direitos reservados.
Tecnologia do Blogger