segunda-feira, 25 de junho de 2012

Sweet Lihh: Fui eu ou foi você?

Já tinha falado aqui, sobre o Sweet Lihh, que é um projeto diferente de tudo que já fiz, mas bem legal. Lá no blog, eu publico alguns textos escritos por mi, inspirados nas minhas vivências, nas vivências de algumas amigas e até de leitoras. Eu resolvi publicar aqui no Sentido, uma vez por semana,, um dos textos mais acessados do Sweet. Para essa semana eu escolhi o " Fui eu ou foi você?". Espero que vocês gostem.
_________________________________________________________________________________




Créditos: We Heart It




Fico remontando os fatos desse último mês, na esperança de talvez, assim, poder entender o que fiz ou que disse. Não consigo entender em que ponto o "estar" se tornou um problema e o "fugir", conseguiu tomar conta do seu coração e mente.
Eu paro, penso e revejo todas as nossas cenas e mesmo assim, não consigo compreender as coisas. Principalmente, o porquê dessa coisa nova, causar tantas feridas e vazio, aqui dentro. Como uma coisa que relativamente, nunca foi minha, pode me deixar tão chateada, por estar distante? Nem distante, por estar, aonde sempre esteve até um mês atrás. Esse hábito, de "estar" e saber que pode contar, me fez pela primeira vez acreditar que as coisas tomariam um caminho diferente do habitual.
Eu tô sentindo falta do teu sorriso, das tuas palavras pretensiosas, do som da sua respiração acelerada e ofegante, que marca o quanto você é ansioso pelo próximo capítulo.  Acredite em mim, não está sendo fácil ter escolhido esse caminho. Não foi fácil, ter sido OBRIGADA por você, a seguir essa jornada depois de ter tido você tão intensamente na minha vida.
Não me arrependo de ter ofertado o melhor e também o pior de mim, só lamento você não ter condição emocional e maturidade o suficiente pra conviver com as pessoas pelo que elas são. Você não pode, viver esperando que só coisas boas e interessantes brotem de dentro de alguém. Ninguém é apenas bom ou apenas ruim. Nem a VIDA é assim. Você prega que temos que conviver com as diferenças dos outros, mas, no entanto, foge das pessoas, quando tem que conviver com a delas.
Dessa vez, eu não vou facilitar as coisas pra você e ir lá, resolver tudo e te dar a situação pronta e resolvida. Agora é por sua conta. Eu vou estar aqui, onde sempre estive, desde a primeira vez em que nós falamos, até a última vez, quando você resolveu saltar os limites afetivos. Você sabe como e onde me encontrar, só não demore, pois, uma hora a gente cansa e quando eu cansar...


                                                                 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita!!!


SENTIDO CONTRÁRIO - 2015. Todos os direitos reservados.
Tecnologia do Blogger