domingo, 4 de março de 2018

Até que a culpa nos separe - Liane Moriarty

{Eu Li}


Em condições normais, teria demorado um certo tempo até conhecer os livros de Liane Moriarty, porém, com a conversão de um dos seus livros em série, o Big Little Lies ( Pequenas Grandes Mentiras, série da HBO com Nicole Kidman e Reese Witherspoon), acabei sendo apresentada a autora e claro, surgiu o interesse em conhecer um pouco mais sobre seu conteúdo. Li "Até que a culpa nos separe" e olha, tá aí um livro que vai te prender e com certeza proporcionar boas reflexões. 



Em Até que a culpa nos separe, conhecemos as amigas Erika e Clementine, duas mulheres completamente diferentes. Enquanto a contadora Erika é extremamente organizada e metódica, sua amiga Clementine é uma musicista desorganizada e muito bem humorada.  As duas amigas vivem uma relação de amor, ódio e alguns pequenos ressentimentos, mas ainda sim, consideram-se as melhores amigas uma da outra.

Numa visita de rotina que Clementine, o marido e as duas filhas fazem a casa de Erika, as duas famílias acabam sendo convidadas a participar de um churrasco na casa dos calorosos vizinhos de Erika. No entanto, este churrasco trará consequências profundas a amizade e a vida pessoal de todos. 


Este é um livro que consegue envolver o leitor por conter um enredo rico e bem construído. Não há lacunas nas histórias narradas e durante a leitura, somos convidados a participar das reflexões de cada personagem, nos questionando sobre o valor e atenção que damos as pessoas e às situações do dia a dia. 

Achei que é uma história pra você entender que a vida é um segundo e que medir o peso das suas ações, reações e principalmente, o peso dos seus sentimentos sobre seu semelhante, mas também sobre si mesmo, vem sendo ignorado com frequência atualmente. 

Gostei, sim. No início rola uma dificuldade manter o ritmo da leitura, porque as histórias são contadas tanto no presente quanto com flashs do dia do churrasco, mantendo assim uma linha do tempo para ajudar o leitor a compreender tudo que antecede ao fato máximo e como são os personagens. Ao mesmo tempo que esse detalhamento é legal, acaba sendo um tanto cansativo, deixando o leitor mais ansioso e cheio de teorias do que de tão grave pode ter acontecido em um simples churrasco no quintal.

Eu acho interessante o jeito que a Liane consegue abordar variados temas em um único enredo e não deixar o leitor sem entender ou o livro desinteressante. No final, você termina a leitura com a sensação de que precisa repensar a sua vida, mas não consegue dizer um único tema para definir Até que a culpa nos separe. É um livro pra você dedicar tempo e colher bons frutos, viu?

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Caixa de entrada - uma nova mensagem para você

{Nós, amores e muito blá, blá, blá}



Oi... tô em pleno escuro total de um blackout de verão e com saudades de falar com você. Saudades de dizer coisas intermináveis e um tanto cansativas, mas não tenho créditos e nem Wi-Fi, então resolvi escrever em modo de armazenamento e transformar isso em um e-mail futuro, no caso este que você acaba de receber e que eu espero que esteja lendo. 

Engraçado, o primeiro e-mail que te mando, apesar de já ter escrito várias cartas (nunca enviadas) e um seleto número de SMS’s. Estava pensando em tudo que aconteceu nos últimos cinco anos, a saudade que sinto de pequenos momentos de reconexão e outras situações cheias de amenidades. 

Como você está de verdade? Sem o trivial e pragmático "bem" automático? Tem sonhado e feito planos felizes? Liberado sorrisos espontâneos? você tem uns ótimos, sabia? 

Estou com calor e parece estranho porque há poucas horas estava com um frio chato e um tanto inusitado para essa época do ano, agora tô aqui torrando de calor, em pleno escuro total e ouvindo uma cantoria indistinta ao longe... não sei se é um cântico religioso ou alguma mini manifestação popular, só sei que as pessoas estão alvoraçadas enquanto estou com calor, sem sono e te escrevendo às 00:23h

Descobri a origem da cantoria: hinos protestantes, ou seja, a igreja está fervorosamente reunida em pleno blackout e eu não consigo dormi. Então, continuo a imaginar que posso falar com você, quando na verdade, o máximo que conseguiria a essa hora e com R$1 de crédito, seria dizer "oi, tudo bem?!" E caso você respondesse, ficaria daqui frustrada por não poder iniciar uma longa e divertida conversa, coisa que eu não tenho certeza se realmente aconteceria dessa maneira, afinal, estamos no início de uma reconciliação. 

Gosto de sonhar com o dia em que a gente passa a ter uma relação de amizade normal. Compartilhando momentos, segredos, sonhos e se vendo com mais frequência, um daqueles amigos que já viveram de tudo e sabem quem são uns para os outros. Depois me lembro que no fundinho sabemos que nunca seremos desse tipo, pelo menos eu sei. A gente já se quebrou demais ao longo do caminho e no fundo, nossas personalidades não permitem esse tipo de convivência. 

Precisamos de distância e algum isolamento pra manter a consciência intacta. Sabe, tenho tantas coisas que queria te perguntar... Mas prometo que não farei isso hoje. Na verdade, contra minha vontade, sinto que preciso parar por aqui. Já falei demais e não disse 1/3 do que seria interessante dizer.

Eu te disse: estou com saudades de conversas intermináveis, mesmo que a essa hora e por esta ótica, isso se encaixe mais como um longo monólogo. Sinto falta de falar com você sem receios, sem freios. 

Sinto falta de você... 

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

{Testei} Óleos embelezadores - Nuxe e Lágrimas de Unicórnio

Minhas dicas e o que venho achando do Lágrimas de Unicórnio



Desde meados de junho de 2017 que venho testando óleos no rosto. Comecei com o óleo de coco e resolvi experimentar o óleo multifuncional da Nuxe. O produto tem variados formatos e preços bem acessíveis (a embalagem do post de hoje custa R$30 na Sephora e The Beauty Box) e mais recentemente comecei a testar o Lágrimas de Unicórnio da Catmake Up. 

Como desde que contei que havia comprado o Lágrimas de Unicórnio muita gente me perguntou lá no @embelezei o que eu estava achando, resolvi fazer esse post antecipado por aqui. Preparadas?



Primeira coisa que a gente precisa conversar é que não há mal algum em aplicar óleos na face, desde que sejam de origem vegetal. Alguns óleos tem funções bem legais e ajudam a melhorar até a acne, um exemplo é o óleo de coco. 

O óleo multifuncional da Nuxe tem um toque mais seco, então, acaba sendo mais confortável de utilizar no rosto para quem tem pele oleosa do que o Lágrimas de Unicórnio que por ter uma mistura maior de óleos, acaba não tenho um toque tão sequinho e precisando de mais tempo para a pele absorver por completo. 





Mesmo o Lágrimas não sendo tão sequinho, ainda sim, acho uma boa opção para cuidar da pele. Tenho dado preferência por aplicá-lo após o tônico e antes do hidratante e protetor solar facial. Assim a pele fica com uma leve radiância e macia. 

Gosto de usar os dois tanto durante o dia quanto a noite, porém, como pré maquiagem, confesso que ainda não me arrisquei com o Lágrimas de Unicórnio, mas já usei o Nuxe e gostei bastante do efeito. 




O segredo para uma aplicação eficiente é massagear bem a pele até a completa absorção e claro, não exagerar na dose de produto, afinal, ainda é um óleo e nada em exagero é eficiente. Te aconselho a experimentar uma gota e ir testando. 

Os preços dos dois produtos são bem próximo, porém, as volumetrias são bem distintas. 10 ml do Óleo Nuxe custa em torno de R$30, enquanto que o Lágrimas de Unicornio 30 ml tem preço médio de R$30.

Se você for de Salvador, consegue comprar o Lágrimas de Unicórnio na JNE Bijuterias (na Praça do Relógio de São Bento, beco que fica entre a Caixa Econômica e a loja IAP, desce a rua até o final e antes do motel, a esquerda, tem a loja) e Nuxe na The Beauty Box do Salvador Shopping e Shopping da Bahia ou na Sephora do Salvador Shopping.


Beijos!! 


SENTIDO CONTRÁRIO - 2015. Todos os direitos reservados.
Tecnologia do Blogger